TERAPIA DO ABRAÇO: DICA PARA LIDAR COM AS BIRRAS DO SEU FILHO(A)

SENTA QUE LÁ VEM INFORMAÇÃO E AJUDA

BIRRAS

Vocês PEDIRAM, e eis o post sobre o abraço para conter as birras.

images

A Marília sempre foi uma criança com personalidade forte. Não aceita bem o não, é teimosa, e bem, não vejo nada de errado nisso, faz parte. Contudo, sabe aquelas birras terríveis? Pois é, ela dava. Ainda hoje, com quase 5 anos, ocorrem as vezes, mas melhorou MUITO. E graças a TERAPIA DO ABRAÇO.

Quando eu fiquei grávida da Micaela, Maricota atingiu seu ápice do caos. Chorava, gritava. Pessoal dizia que eu precisava inserir ela na gravidez, mas isso pareceu só piorar. Ela REAGIU MUITO PIOR À GESTAÇÃO DO QUE A CHEGADA DA MICAELA EM SI. Acho que ela não entendia muito bem o que seria essa irmã que iria chegar e sua reação foi surtar. E eu gestante, surtei junto.

Cheguei inclusive a dar TAPINHAS, coisa do qual sou contra e evito ao máximo na educação delas. GRITEI, ow como gritei. Ela berrava, eu berrava mais alto. Tentei impor sabe, a tal autoridade. Chorei, ow como chorei também. Conversei, pus de castigo, outras vezes ignorava a birra, enfim, FIZ DE TUDO, e nada de melhora.

Frustração, sensação de impotência, culpa, raiva, tudo junto e misturado.

Tenho muita FÉ, e certa noite, após uma crise dela horrível,  orei desesperada a Nossa Senhora implorando por ajuda, um sinal, um caminho, uma luz. E ela veio. Em forma de um pôst no meu feed de notícias. O texto que me ajudou foi este da page ANTES QUE ELES CRESÇAM (aliás página que gosto muito e indico).

Ao ler, as lágrimas escorriam. ABRAÇAR ELA, ACOLHER. por que eu não pensei nisso antes? Por que não entendi que ela sentia medo, medo do que viria e talvez, só precisasse ser acolhida.

Procurei mais informações a respeito do método, passei a madrugada em claro, no dia seguinte contei ao meu marido, que adorou, e resolvemos por em prática.

Não precisamos esperar muito. Logo outra crise veio. Ela já saiu gritando pela casa. Eu fui atrás, calmamente. Ela gritou porque não a deixamos fazer algo. Eu cheguei e a abracei. Forte, cheia de amor. Ela se debateu. Eu fui ainda mais firme, comecei a cantar uma música do desenho do Daniel Tigre. Ela gritou ainda mais. Daí sussurrei: está tudo bem, acalme-se, eu estou aqui para você.

E foi como uma MILAGRE. Ela parou de se debater, gritar, me olhou e abraçou de volta. Ainda chorando. Eu fiquei abraçada a ela repetindo que tava tudo bem. Levou uns minutos até ela se recompor. E saiu brincando. Daí eu fui até ela, sentei com ela e com calma perguntei o por que daquilo tudo, ela explicou e eu explanei que não podia deixar ela comer tal coisa naquele momento, mas que se ela jantasse bem, poderia. Enfim, conversei e depois repreendi pela atitude errada dela. Perguntei se ela havia entendido e pela primeira vez em meses, vi no olhar dela que sim, ela tinha entendido.

Vejam bem, você abraçar seu filho quando este está dando birra, gritando, não significa que você não impõe limites, que não sabe educar, ou muito menos que é conivente ou preguiçosa, significa que você é amiga dele, e assim ganhará seu respeito, sem precisar IMPOR ISSO. E também não significa que você não conversará sobre isso, ou castigará, da maneira como você prefere educar, significa apenas que NO AUGE DA CRISE A CRIANÇA SIMPLESMENTE NÃO ESCUTA NADA QUE VOCÊ FALA.

Simples. E verdadeiro.

Eles não raciocinam com clareza num ataque de raiva, aliás nem nós adultos.

Se você grita, a tendência é ela gritar ainda mais. Se você bate, a tendência é ela sentir medo e raiva. Se você ignora, a tendência é que ela se sinta menosprezada. Se você castiga no auge da crise, a criança pensará em tudo, menos no que fez. Agora se você a ACOLHE, e por mais difícil que seja, tente entender e a acalmar naquele momento, as coisas fluem e quando você for conversar com ela sobre o comportamento dela, ela irá escutar.

Posso afirmar que a TERAPIA FOI UM DIVISOR DE ÁGUAS lá em casa. Melhorou tanto. Nos unimos mais. Teve um dia inclusive, que ela rasgou coisas, eu a abracei etc, e quando ela finalmente se acalmou me disse que fez tudo aquilo porque sentia medo de me perder, de ter de ir embora quando a Micaela nascesse. E se eu tivesse castigado de cara, NUNCA teria descoberto de fato o motivo por trás daquela reação doida dela no dia.

Óbvio que sou mãe gente como a gente, me irrito também, tem dias que também to em crise e negócio vira CAOS, mas no geral, quando agimos dessa forma, observamos ótimos resultados, inclusive amigas minhas também.

Portanto a terapia consiste em: abraçar seu filho (a) bem forte (por trás ou de lado) na crise, cantar, sussurrar ou dizer palavras que o acalmem e lhe dêem segurança, até a crise passar.  E só depois conversar sobre o que ocorreu e impor limites.

Bora testar aí na sua casa? Depois me conta viu, se deu certo!

download

Beijos,

Lucinha.

Anúncios

Uma opinião sobre “TERAPIA DO ABRAÇO: DICA PARA LIDAR COM AS BIRRAS DO SEU FILHO(A)

  1. oi meninas a pouco tempo escrevi do desmame da minha Alice (2 anos e 1 mês), está em andamento em câmera lenta, mais firmes ela tem mamado só pra dormir, ou seja 3 vezes, com ela na escola te ficado um pouco mais fácil. Porem parece que chegou a “terrible two”, uma birra, um chororó sem motivo, acorda chora não dou o que quer chora e pra piorar não almoça nem janta, come as outras refeições numa boa sem reclamar parece até outra criança, pedi ajuda a pediatra e ela mandou continuar oferecendo comida.
    Eu sinceramente estou sem opções, esgotada, fico brava, grito, dou uns tapinhas, mais ela se vira e eu me sinto a pior pessoa do mundo, choro horrores… o pai trabalha e só chega de noite somos só nos duas o dia inteiro.
    Pelo amor do Cristo, me ajudem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s